FacebookTwitteryoutubeSlideshareAPP
Get flash player to play to this file
FACEBOOK
NEWSLETTER

Remover e-mail da newsleter:

DESTAQUES

Sede da APFF - Porto da Figueira da Foz

Sobrevoando o Porto da Figueira da Foz #3

Sobrevoando o Porto da Figueira da Foz #2

Porto da Figueira da Foz em movimento #1

Porto da Figueira da Foz em movimento #2

Porto da Figueira da Foz #Crepúsculo [VÍDEO-FOTO]

Inauguração do Prolongamento do Molhe Norte do Porto da Figueira da Foz (5)

Regata dos Portos do Centro 2011 - Figueira da Foz (2)

Assinatura do contrato de concessão dos Estaleiros Navais do Mondego - José Luís Cacho

Dia Mundial do Mar na Figueira da Foz - 2010 (6)


METEO
Tempo Figueira da Foz
TWITTER
LINKS




FOTOS

 «Sta. Maria Manuela» na Figueira da Foz

«Sta. Maria Manuela» na Figueira da Foz
SLIDESHOW



ATÉ 31 DE MARÇO, NO CENTRO DE ARTES E ESPECTÁCULOS DA FIGUEIRA DA FOZ
A pesca longínqua em fotografia

“New Found Land” é o tema da mostra de fotografia de Luís Miguel Monteiro, patente ao público no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz (sala de Afonso Cruz), até 31 de Março.

Luís Miguel Monteiro nasceu em Águeda, em 1975. Cresceu em São João da Madeira e vive em Coimbra. Tem desenvolvido trabalho em fotografia, associado à construção da memória.

Portugal foi o último país europeu a utilizar navios à vela numa frota comercial, o último a pescar bacalhau à linha, ao largo da Terra Nova e da Gronelândia. Cada navio transportava botes – ou doris –, arriados para pescar e tripulados por um pescador só.

A título oficial, a pesca longínqua era apresentada como um legado dos descobrimentos. A bordo do navio, o alojamento era exíguo, a alimentação repetitiva, a água doce racionada e a disciplina férrea. Ao embarcar no dori, cada pescador teria de pescar em condições difíceis, durante longas horas, vivendo o risco de não regressar. Estava dispensado do serviço militar quem completasse sete campanhas.
Apesar de tudo, era possível experimentar uma liberdade dura, uma aventura perigosa, e gostar genuinamente. Pescar era também experimentar um processo de descoberta, uma transformação do modo de ver e de sentir.

Foi construído um imaginário coletivo, com base em relatos de pescadores e objetos que sobreviveram ao fim da pesca à linha.

FONTE




Data: 2013-03-11

feed
mapa